Escolha uma Página

A CABEÇA DE MARIA

cabeça

A morte de Maria Bonita foi de uma crueldade sem tamanho. Nas Cruzadas da Idade Média a violência era menor. E Santo, assim era chamado o coiteiro de Lampião, virou policial malvado se voltou contra o antigo aliado. Foi ele quem cortou a cabeça de Virgolino. Maria Bonita baleada e com a perna sangrando, rastejava em direção a Lampião, mas foi arrastada pelos cabelos e levou uma coronhada na cabeça. Santo repassou o facão para Panta de Godoy (o outro companheiro cruel) para golpear Maria Bonita, tal qual um samurai. O sangue dos dois se misturaram na mesma lâmina formando um só coágulo. O massacre durou 20 minutos com gritos, fumaça, risadaria e os soldados ainda davam vivas à polícia e graças a Deus.

Cabeça rolada no chão em cima de folhas molhadas, os soldados sem nenhum escrúpulo, levantaram a saia dela com a boca do fuzil para ver o que ela vestia por baixo. Outro “macaco”, Wenceslau,   pegou os dois bornais dela. “Ele ficou com um e eu como o outro. No dele, estavam 99 contos e no meu, 18. No bornal de Maria do Capitão tinha mais de meio quilo de ouro. Peguei ainda a cartucheira e o cantil de Lampião e não devolvi”. Confessou.

E sem demonstrar constrangimento, Panta de Godoy descreveu mais detalhes das suas atitudes macabras como se feitos heroicos fossem. Depois da degola em Maria Bonita, “tive que bater no osso, saiu muito sangue, enfiei o dedo dentro do tutano e “barriei” (significa tapar), tudo porque era um branco danado. “O balaço que ela tinha levado saiu de lado e sangrava muito”. O copo foi pepinado ( como se faz em carnes bovinas para amaciar). O corpo de Maria Bonita sem cabeça, vestindo mescla azul, era vez por outra levantado numa distração macabra.

Em seguida e rápido, era feita à caça ao tesouro de modo pressuroso. Os dedos foram cortados para retirar os anéis. Os 11 corpos do bando e sem cabeças ficaram espalhados e abandonados ao redor da Grota de Angico, em Sergipe, servindo de banquete para os urubus. Isso aconteceu na quase madrugada de 28 de julho de 1938. Hoje, 76 anos depois, Maria Bonita é mito. Mitos não morrem.







Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *