Escolha uma Página

A PRIMEIRA ADVOGADA

advogada

Desde criança Myrtes revelou que não iria ser uma mulher do lar. Estudiosa, conseguia tirar  as melhores notas, e, mais tarde, escandalizou a família ao revelar que iria deixar Macaé, cidade onde nasceu em 1875 para estudar direito no Rio de Janeiro. Quebrou a resistência dos pais e foi em busca do seu objetivo. Conseguiu. Terminou o curso em 1892, mas somente em 1906,  Myrtes Gomes de Campos ingressou na OAB devido às discriminações.

A sua primeira atuação no Tribunal do Júri foi sensação e motivo de curiosidade popular. Todos os jornais noticiaram. Populares  lotaram a sala para ver “uma mulher advogada”. Seu poder de argumentação surpreendeu e seu constituinte foi posto em liberdade para surpresa de todos. Certamente esperavam  insegurança de sua parte. A partir daí, a presença de Myrtes era atração certa no Tribunal de Júri.

Convidada pelo Jornal do Commercio (Rio de Janeiro), ela assinava coluna  e escrevia artigos na área jurídica, sempre defendendo o voto feminino, o serviço militar, o aborto, direitos femininos em geral que deveriam estar na Constituição. Casamento e maternidade não eram as únicas opções das mulheres, pregava.

Entretanto, em Pernambuco, no ano de  1888 duas mulheres estudaram direito: Maria Coelho S. Sobrinha e Delmira Secundina. No ano seguinte, foi à vez de Maria Augusta  Vasconcelos, mas nenhuma delas seguiu a profissão.

Myrtes se aposentou em 1944 e deixou sua história na área jurídica do Brasil.







Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *