Escolha uma Página

A PRIMEIRA CANGACEIRA

anesia

Anésia Cauaçu, uma mulher valentona que no início do século 20 lutava capoeira com destreza, bebia cachaça temperada em pé no balcão das bodegas, fumava cachimbo de barro, atirava tão bem que conseguia decepar os dedos dos inimigos numa distância de 100 metros, galopava feito vento e foi a primeira mulher da Bahia a usar calças compridas para montar em cavalos. Dançava em terreiros de Candomblé, recebendo Iansã, um orixá guerreiro.

Ela existiu antes de Maria Bonita, em Jequié, Sertão baiano. Mas com uma diferença: Maria Bonita entrou no bando e Anésia criou um bando. A história dela é contada pelo professor   Domingos Ailton, da Faculdade Zacarias Góes, da Bahia. Ele narra à vida de Anésia em livro fundamentado na imprensa da época, em depoimentos e se vale também da ficção romanceada, o que torna difícil separar o real do imaginário popular.

A exemplo de Lampião, Silvino, Sinhô Pereira e os demais cangaceiros, a baiana Anésia Adelaide de Araújo entrou nessa vida perigosa, estritamente masculina, para vingar a morte injusta de um parente em 1917. Treze anos antes de Maria Bonita seguir Lampião. Vindo de uma família de comerciantes e agricultores valentões, Anésia aprendeu cedo, a tirar e lutar capoeira com punhal. Mesmo com esse perfil “macho”, essa notável mulher era uma moça bonita e comunicativa, muito branca, alta, cabelos longos e negros e olhos azuis da cor do céu.

Todos esses predicados encantaram o mascate namorador Afonso Silva. Eles se conheceram numa tarde chuvosa durante uma procissão de São José. A simpatia foi recíproca e pouco tempo depois estavam casados e tiveram uma filha, Lucinha. Afonso gostava do jeito de sua mulher e apoiava o propósito dela em lutar por justiça e pela vingança na briga das famílias Mocós e Rabudos, e nunca por dinheiro.

Enquanto isso, a fama de Anésia crescia de boca em boca e por meio de cordel. Ela passou a “tomar as dores” dos injustiçados, sobretudo das mulheres indefesas. Tava surras nos homens, fortes tapas nos rostos, golpes de capoeira que deixava todos no chão amedrontados. Conseguia atirar para trás, nas perseguições com os inimigos, inclusive com a polícia. Não perdia uma.

O então governador da Bahia, Antonio Muniz, preocupado com as ações dos Cauaçus, que ele classificou de “conflagração sertaneja”, sobretudo com Anésia que liderava o grupo de cangaceiros formados pelos tios, irmãos e parentes causando estragos no comércio da região, mandou 240 policiais para combater os Cauaçus. E foi em vão.

Anésia passou a ser uma musa do Cangaço e mais valentona que Dadá ( mulher de Corisco que chegou a comandar confrontos com a polícia) e sua fama aumentava a cada dia junto com a imaginação coletiva. Diziam que na hora do combate, ela se “invultava” (se desmaterializava) se transformando em um toco ou uma árvore, através de reza forte e um patuá que ela usava no pescoço. “O povo aumenta, mas não inventa”, diziam.

Os cauaçus fizeram lenda na Chapada Diamantina. Anésia permaneceu no Cangaço durante seis anos e depois foi viver com o marido e a filha sob proteção do fazendeiro Isaías Galvão que devia favores aos Cauaçus. Mas ele não resistiu à proposta do coronel Paulo Bispo em oferecer 300 mil réis pelo paradeiro de Anésia. Ela foi presa e nunca mais se soube notícias dela.

Anésia não fazia jus ao seu nome de origem grega e que significa repouso. Entretanto, restou a fama de símbolo de sertaneja valente. Fez história.

 







1 Comentário

  1. Juraci Lemos Pina

    Na conjuntura atual do sistema político brasileiro onde a corrupção anda de braços dados com a impunidade; onde a principal característica do político é se locupletar com o dinheiro público, a última saída, seria UMA ANÉSIA NO PODER. Juracipina. (essa é a minha opinião)

    Responder

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *