Escolha uma Página

JOANA, A AZARENTA

Nascida Joana Conceição dos Santos, era uma das poucas mulheres do bando que sabia atirar de fuzil e participou de duas refregas. Sarará, alta, magra, testuda,  no dizer do escritor Renato Bandeira. Prendia os cabelos com força para trás deixando sua testa ainda maior.

Era do Bando de Lampião  e foi a companheira de  Antônio de Engrácia  durante quatro anos até que ele morreu  “de sucesso”, ou seja, em combate na linguagem cangaceira. Logo depois, ela juntou-se ao cangaceiro Jacaré e não demorou muito, ele que morreu do mesmo jeito. Os companheiros  começaram a suspeitar que Joana era azarenta e a expulsaram do bando. Nenhum quis mais juntar-se a ela. Não se sabe que rumo tomou. Desapareceu no horizonte das caatingas.

Quando se fala em cangaceira, a maioria imagina uma mulher bandida, uma vez que a imprensa da época desdenhava delas, desconhecendo os motivos que a levaram a entrar no bando. Ter liberdade de escolha, sair do domínio paterno, ter dinheiro, joias, conhecer “o mundo”, numa ilusão de vida. Enfim, fizeram suas escolhas. Poucas foram raptadas e se acostumaram ao novo estilo de vida. Tiveram também seus dias de alegria.







1 Comentário

  1. teresa raquel

    Ela era companheira de Cirilo de Engrácia.

    Responder

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *