Escolha uma Página

LÍDIA, A BELA CANGACEIRA

Era baiana, alegre, dentes perfeitos, cabelos pretos e corpo bonito. Muitos a achavam a mais bela das cangaceiras. Entrou no bando de Lampião com pouco mais de 18 anos para ser a companheira de Zé Baiano famoso pela crueldade e pela feiura também: preto, magro, “de cara chupada”. Zé Baiano, entretanto, compensava sua fealdade com a valentia e riqueza. Seus companheiros diziam que ele tinha mais dinheiro e ouro que Lampião. E mais: era agiota. Emprestava dinheiro a vários comerciantes, assim, era fácil negociar com eles.

E sua Cristina era por tabela, a mais rica das mulheres do bando. Ostentava ricas joias e seu burro, chamado de Brinquinho tinha arreios especiais causando admiração por onde andava. Zé Baiano era apaixonado por Lídia e não se importava de demonstrar seu carinho. Escolhia os melhores pedaços de carne, dando na boca comida, água e ainda limpava a boca de sua amada com guardanapo de linho, uma sofisticação nas caatingas e amor explícito. Que mais Lídia poderia querer?

Mas, Lídia era fogosa e quando Zé Sereno viajava, ela dava umas escapulidas com os companheiros solteiros do bando. Muitos sabiam, mas nenhum ousava dizer. Até que um dia, o cangaceiro Coqueiro flagrou Lídia com Bem-te-vi em pleno colóquio nas matas. Bem-te-vi era o oposto de Zé Baiano: bonito, alto, louro e branco. Dizem que o romance foi longo. Coqueiro quis participar da brincadeira, sendo recusado por Lídia.

Com o retorno de Zé Baiano, Coqueiro não pensou duas vezes. Contou tudo o que viu. Pagou com a vida sua delação. E Lídia foi amarrada durante toda uma noite, enquanto seu companheiro pensava o que fazer com ela. Lídia apelou para Lampião e Maria Bonita, mas o casal não interferiu.

Lídia teve uma morte cruel, morta às pauladas ao amanhecer. Seu belo rosto ficou desfigurado. Zé Baiano a enterrou numa cova rasa e chorou feito criança. Cumpriu à determinação do Código de Honra do Cangaço.

A bela Lídia teve um final triste.







10 Comentários

  1. Gilenio Camilo

    Relatos assim revelam a índole daquela gente e fortalece a idéia de que o cangaço era o refúgio perfeito dos mais sádicos ,mais sanguinários e mais desumanos dos criminosos.

    Responder
    • André Borges

      Nao so aquele “gente” no Brasil atual se trair a mulher corre risco de pagar com a vida também

      Responder
    • Joca

      Se ele não fizesse o que fez, seria um homem desonrado para sempre e ninguém mais o respeitaria no bando…

      Responder
  2. Paulo Martins

    Apenas no tempo do cangaço? Nada muito diferente do que acontece hoje.

    Responder
  3. Amanda Monteiro

    Ela mereceu bem feito para ela porque ZÉ Baiano dava tudo pra ela e o que ela fazia? O traía morte bem merecida

    Responder
  4. Cícero

    Ele está certo fazia parte do jogo deles ele era um cara muito forte do bando quando soube do chifre tinha que matar mesmo não tinha outras opções i aonra dele né infelizmente ela sabia das leis do bando

    Responder
  5. wellington rosendo

    Certa vez lídia foi amarrada ao cavalo de zé baiano sabia que era corno e andou um dia inteiro,como castigo.

    Responder
    • Teresa Raquel

      foi Maria Jovina que fez isso e não Lídia

      Responder
  6. Vlad

    Ele sabia que era corno, mas fingia não sabê-lo(, não muito diferente dos cornos de hoje),com a delação do safado do coqueiro, ele não trve outra opção, a não ser matá-la.
    Matou também o delator(acabou sabendo que o dito também queria comê-la) e o proprio bente-vi.
    Chifre!!!!!

    Responder

Deixar uma resposta para Amanda Monteiro Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *