Escolha uma Página

O DESTINO DE ADELAIDE

adelaide

Nascida em Poço Redondo, Sergipe,  Adelaide tinha muitos irmãos. Os pais  Pureza e Lé eram  respeitados na redondeza. Por volta de 1934, os cangaceiros  Mariano e Criança começaram a visitar a localidade e simpatizam com as irmãs Adelaide ( lado D) e Rosinha que eram bonitinhas e simpáticas. Os cangaceiros não hesitaram e levaram as duas para o bando. Rosinha ficou com Mariano e Adelaide foi escolhida por Criança. Este ficou perdidamente apaixonado pela companheira, sendo  de uma fidelidade canina.

Pouco tempo depois, Adelaide engravida. Cuidados redobrados  com as andanças nas caatingas. É então chegada a hora do parto. Complicado desde o início, Criança chamou uma parteira experiente, mas a situação era difícil. Foi chamada uma segunda parteira e quase nada adiantou. O sofrimento foi grande. Mãe e  filho morreram. Os dois foram enterrados diante de muita comoção.

Criança, o pai,  entrou em desespero. Gritava, urrava, esbravejava. Completamente fora de si. Só não se matou, porque seu amigo Mariano tomou a arma e deu-lhe  muita bebida. Foi à maneira que o cangaceiro encontrou para aliviar a dor do companheiro. Pelo menos naquela hora. Criança, completamente sem noção, dançava, ria e chorava. No dia seguinte, ele  “era um molambo”. Mas na vida cangaceira, não havia tempo e nem condições para lamúrias, sentimentos… Tanto que,  o cangaceiro viúvo  esqueceu o passado ao conhecer a doce Dulce,  uma bela  moça com jeito de menina que ainda vive em São Paulo.  Recentemente deu entrevista para TV.







Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *