Escolha uma Página

ORIGEM DAS CANGACEIRAS

grupo

Quando se fala em mulheres cangaceiras, muitos pensam que elas existiram desde a chegada de Lampião. Ou seja, em 1922, quando ele assumiu o comando do seu grupo. Entretanto, a presença delas só aconteceu no início de 1930, após a presença de Maria Bonita, a rainha, quando Virgolino atravessou o Rio São Francisco e ficou na Bahia em 1938. Daí se justifica a origem das cangaceiras ser na maioria sergipana ou baiana. Outro engano é imaginar (e até dizer) que elas andavam pelos sete Estados nordestinos, tal quais os homens. Mas o caminhar da ala feminina ficou restrito aos Estados da Bahia, Sergipe, Pernambuco e Alagoas.

Outro engano, sobretudo nas histórias da oralidade é dizer que as cangaceiras participam dos combates, atiravam e andavam “armadas até os dentes”, com chapéus de couro e fuzil na mão. Imagem totalmente deturpada que os filmes e a TV insistem em mostrar. Por ocasião dos combates, todas ficavam distantes e sob proteção de dois ou mais cangaceiros.

A história mostra que a Bahia foi o Estado que mais “rendeu” mulheres cangaceiras, a começar por Maria Bonita. Em seguida veio Sergipe. Eis algumas cujos nomes a história cangaceira registra: As baianas: Mariquinha, mulher de Labareda; Naninha, mulher de Gavião; Nenê, mulher de Luis Pedro; Noca, mulher de Mormaço; Osana, mulher de Labareda ( segunda); Lidia, mulher de Zé Baiano; Verônica, mulher de Bala Seca; Zefinha, mulher de Besouro.

Sergipanas: Maria Fernandes, mulher de Juriti; Rosalina, mulher de Mariano; Sebastiana, mulher de Moita Brava. De Pernambuco, apenas Dadá, mulher de Corisco.

Um detalhe que deve ser destacado- todas eram da zona rural, jovens e bonitas. Um pouco das histórias d’elas…







Trackbacks/Pingbacks

  1. A mulher no Cangaço . | Feminism is the new Black - […] Wanessa – Origem das Cangaceiras. Disponível em Mulheres do Cangaço, acesso em 23 de Setembro de […]

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *