PERFUME NO AR

dez 22, 2019 | 0 Comentários

O perfume ativo e misturado com outros e ainda mais o suor, denunciava a proximidade do bando.. Eram eles e elas andando nas caatingas que vinham chegando “amando e querendo bem”, como o próprio Virgolino dizia ao entrar numa cidade. O grupo vinha em busca de comida, água, pouso, mantimentos, dinheiro etc.  O caminhar pelas matas   durante dias, horas seguidas sem banho de rio ou de cachoeira, no sol, na chuva, os cangaceiros “tomavam banho de perfumes” e se valiam dos que traziam nos bornais. Sila, uma das sobreviventes do massacre de Angico (quando parte do bando morreu), contava que ‘jogavam” vários perfumes e de preferência o Royal Briar, de cheiro forte e famoso nos anos 30.

O perfume usado daquele jeito era para abafar o odor empregando no corpo cansado e sujo. Atitude igual tinham os nobres europeus civilizados do século 19 com a mesma finalidade. Só que com perfumes caros…

O Royal Briar adotava o slogan “o perfume que deixa saudades”… Esse costume ficou famoso e todos os historiadores destacam. E até rendeu o filme “Baile Perfumado”, de Lírio Ferreira e Paulo Caldas (1966) que faz sucesso até hoje. Sim, os cangaceiros e cangaceiras se perfumavam para dançar. Aliás, perfumes e joias, eram características do grupo. E quem sentiu o cheiro deles não esqueceu…Royal Briar ainda é fabricado.

 

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *