Escolha uma Página

A TRISTEZA DE LAURA

Para ser cangaceira precisava ter também um pouco de sorte. Primeiro, pelo companheiro, depois para livrar-se das doenças e da  morte prematura. Laura Alves, alagoana, uma morena pequena, era o que se pode dizer  de não ter sorte no amor. Abandonada pelo noivo, mesmo com casamento marcado, a moça entrou numa tristeza profunda. O pai, descobriu que a filha perdera a virgindade e como castigo, teve prisão domiciliar por muito tempo. Não colocava a cabeça fora de casa.

Um dia, porém, Laura conheceu umas cangaceiras que estiveram em sua casa e, interessou-se pela vida delas. E não pensou duas vezes: entrar no bando, mesmo sem ter companheiro. Se aquelas moças aguentavam a vida dura no Cangaço, ela suportaria também. Qualquer vida fora daquela prisão era bem-vinda. E partiu.

No início, a mais nova integrante do grupo, escolheu o cangaceiro Moita Brava, mas veio uma outra decepção. Ele não aceitou….Conversou com os cangaceiros solteiros até chegar em Boa Vista, nascido Manoel dos Santos. Deu certo. Mesmo “casada”, Laura não demonstrava alegria. Sempre calada e bem-comportada. Recebeu o apelido de Doninha.

Anos depois, sumiu do Cangaço e foi morar no Sul da Bahia. Calada e sem alegria, pois a rejeição do noivo a atormentou até o fim da vida.







Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *